cine_diversidade

Escola de Cinema Darcy Ribeiro apresenta sessão de premiação do Festival Cine Diversidade

Pensou que tinha acabado? Cine Diversidade só acaba quando termina.

Nesta sábado, dia 21, teremos aquela sessão linda e especial com os filmes mais votados pelo público nas sessões competitivas da Mostra que aconteceu no Centro de Artes da Maré dias 6 e 7 de outubro.

Após a exibição teremos a premiação com a entrega de bolsas de estudos na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. 

Finalistas:

  • Textura Drag (Sabrina Alvarez e Fernanda Martins, 2016): Este projeto documentário retrata como Drags se relacionam com sua imagem e com a transição entre gêneros (gênero fluido) a partir do artifício da prática da montagem. O objetivo é evidenciar memórias, propiciando um espaço para performance e discussões da forma mais fluída possível. Para isso, propomos que a gravação se dê em um teatro vazio, um lugar de cena e reflexão. A abordagem da caixa preta nesse filme se dá como uma suspensão no tempo exterior com um reconhecimento da manipulação das diretoras sobre os convidados, onde são pensados cenários específicos para cada conversa, que atuam como gatilho para lembranças das primeiras montações das drags e a construção dessas personalidades.
  • Transcrição (Felipe Dutra e Iury de Carvalho Lobo, 2016): O filme retrata a inquietação de uma escritora, cuja procura por se reconhecer vai de encontro a sua própria vida revisitada pelas lembranças de infância, Beatriz Correia em meio aos seus 40 anos sente a necessidade de entender os sonhos que sua mãe teve pra si, e essa inquietação nos leva a refletir sobre a conduta geral de uma sociedade que insiste em nos moldar, e aprisiona mulheres.
  • Chagas (Otávia Souza, 2016): Através de uma performance artística, a angústia e as cicatrizes físicas e emocionais que o assédio e o estupro deixam na mulher são reveladas na luz negra.
  • Guerreiras do Cotidiano (Rômulo Norback, 2016): Neste documentário, Maria Orlandete e Lilian da Silva revelam os segredos de camelôs femininos que buscam, nas margens da rodovia BR 465, o sustento e a sobrevivência de suas famílias.
  • Amanhã já é outono (Luciana Bezerra, 2014): Entre uma noite de sexo e uma carona para o trabalho, nasce o amor entre duas mulheres.
  • Você (Felipe Cabral, 2017): Filmado com Iphone 6, o filme mostra uma jovem buscando compreender a morte de seu melhor amigo, vítima de homofobia.

Classificação: 16 anos
Entrada gratuita


Posts Relacionados