CURSO FIGURINO PARA MÍDIAS AUDIOVISUAIS

O curso é dividido em dois módulos. O módulo 1 ou “Criativo” ou o módulo 2 ou “Executivo” são complementares porém independentes, ou seja, cada um deles fecha em sua proposta. O ideal seria fazer ambos, mas o aluno tem a opção de fazer apenas um deles.

O conteúdo programático será dividido em 4 oficinas de 4 horas para cada, num total de 16 horas por módulo. Os alunos receberão uma apostila de cada aula, uma bibliografia e uma filmografia indicada.

Módulo 1 – Criativo
Nessas oficinas o objetivo é observar o passo a passo das etapas do processo criativo de um Projeto de Figurino. Tudo acontece a partir do conceito escolhido para a a narrativa da imagem, passando pelas pesquisas, criação dos personagens, até chegar à execução do projeto para aprovação da direção. Vivenciaremos a etapa da pré-produção e o começo da produção. A proposta é trabalhar com os alunos de uma forma bastante prática, juntando o conteúdo das oficinas à observação de imagens e filmografia selecionadas e exercícios de simulação para criação de personagens e formatação de um projeto de figurino.

PROFESSORA
Babita Mendonça é carioca, cursou Psicologia na PUC-RJ e começou a trabalhar com audiovisual depois de uma temporada em Londres onde estudou Design de Moda, Têxteis e Padronagens. Inicialmente trabalhou como estilista, produtora de moda e objetos de cena e, a partir de 1983, passou definitivamente para a Direção de Arte e Figurinos. Colaborou com Murilo Salles nos longas “Nunca Fomos Tão Felizes”(1983) e “Faca de Dois Gumes”(1988) e assinou “Garota Dourada” de Antonio Calmon (1983), ”Os Trapalhões na Arca de Noé”, de Deo Rangel (1984), “Robin Wood e os Trapalhões” (1990) e “Trapalhões e a Árvore da Juventude” (1991), de José Alvarenga. Fez os figurinos de “Banana Split” (1986), de Paulo Sergio Almeida e de “Xuxa Pop Star” (2000), também de Paulo Sergio Almeida e Tizuka Iamazaki.

Na televisão, trabalhou em programas, séries e novelas da TV Manchete, Globo, Bandeirantes, GNT, Multishow e Canal Futura. Fez figurinos de muitas séries entre elas “Meu Amigo Encosto”, para o Canal Viva, a série reality fake “Ribanceira”, para o Canal Brasil e “Sem Volta”, exibida pela TV Record. Fez inúmeros filmes publicitários nacionais e estrangeiros, além de Institucionais para o “Bolsa Família” e o “Canal Saúde”. Desde 2000, ministra cursos, oficinas e palestras sobre Figurinos e Indumentária na AICTV, SENAI/CETIQT, SENAC, ESTÁCIO, Fundição Progresso, além de workshops, consultorias e palestras para particulares, empresas e grupos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
A Linguagem das roupas, o diálogo não verbal, a Semiótica.
Observação de imagens de figurinos desde os primórdios no teatro grego, depois no começo do Século XX (ballet russo, cinemas americano, europeu e brasileiro) até tempos atuais. O figurino como uma profissão cada vez mais
valorizada. O mercado de trabalho.

REFERÊNCIAS:

– Trabalhando com uma paleta de cor definida. Exemplos: As cores de Wes Anderson.
– A “conversa” entre os departamentos da narrativa visual. O diálogo harmônico entre fotografia, direção de arte e figurino mostrado nos making off de filmes.

– Filmes para observação:
1. “O Baile”, de Ettore Scolla (1983) – filme sem diálogos, narrando quatro décadas de história da linguagem estética num trabalho audiovisual (Direção de Arte/ Cenografia, Fotografia, Figurino + Caracterização).
2.  “É Proibido Fumar”, de Anna Muyllaert 2009), figurinos Marisa Guimarães
3. “Memórias de uma Geisha”, de Rob Marshall (2005), figurinos de Coleen
Atwood
4. Imagens dos seguintes filmes: “Maria Antonieta” de Sofia Coppola (2005), “Roda Gigante”, de Woody Allen (2016), “West Side Story”, Jerome Robbins e Robert Wise (1963), “Madame Satã”, Karim Ainouz (2002), “Carlota
Joaquina”, Carla Camuratti (1995)