SEMINÁRIO INTERNACIONAL NARRATIVAS RACIAIS E O DOCUMENTÁRIO: PERSPECTIVAS TRANSNACIONAIS

post-sem-narrativas-raciais_jan2020_v2

1. INFORMAÇÕES GERAIS:

SEMESTRE LETIVO: 2020.1
PROFESSOR: Leonard Cortana
CARGA HORÁRIA: 10 horas
DATA: 9 e 10/01, das 10h às 12h30m e 14h30m às 17h.
INVESTIMENTO: R$300,00
10% de desconto para quem estuda na escola ou se inscreve em dois ou mais cursos*.
5% de desconto para pagamentos à vista (dinheiro ou transferência bancária).

Dados Bancários para Depósito/Transferência (pagamentos à vista):
Banco do Brasil / AG. 0183-X / CC: 408.757-7
Instituto Brasileiro de Audiovisual
CNPJ: 02.605.336/0001-03

Importante: Envie o comprovante do depósito/transferência para os e-mails secretaria@ecdr.org.br e financeiro@ecdr.org.br

*Desconto não cumulativo

 

2. APRESENTAÇÃO:

Leonard Cortana, professor de história do cinema na New York University (NYU), falará sobre o tema principal de suas pesquisas e análises cinematográficas: o ativismo racial em documentários do Brasil, dos EUA e da França, países com formas muito diferentes de lidar com temas raciais nas suas narrativas nacionais. Neste workshop interativo, os participantes poderão assistir uma breve conferência, ver e analisar trechos de filmes e participar de exercícios em grupo.

 

3. PROFESSOR:

Leonard Cortana é doutorando no Departamento de Estudos Cinematográficos da NYU Tisch School of the Arts, onde obteve um Certificado em Cultura e Mídia do Departamento de Antropologia. É professor adjunto de história do cinema internacional e francês na NYU e membro do Berkman Klein Center, da Universidade de Harvard.

Cortana ganhou o Mestrado NOHA em Assistência Humanitária da Comissão da UE e possui um diploma duplo em Política Comparada e Literaturas e Culturas Hispânicas na Sciences-Po Aix em Provence. Também é bacharel em Cinema e Estética pela Universidade Panthéon Sorbonne. Antes da NYU, conduziu vários projetos artísticos e educacionais com organizações sem fins lucrativos e nas Nações Unidas, envolvendo jovens no Chile, República Dominicana, Brasil, Austrália, França e Bulgária. Tornou-se instrutor de projetos do Programa da Juventude da Comissão Europeia e da Organização Internacional de Aldeias de Verão para Crianças (CISV) e desenvolveu metodologias de teatro e narrativa para inclusão social. Em 2012, Cortana fundou o coletivo Inform’ART France, que reuniu jovens trabalhadores e artistas. Entre seus projetos, o coletivo recorreu à metodologia da Biblioteca Humana para criar uma rede de praticantes em toda a França. Eles também co-dirigiram um pequeno documentário, Uma terra no meio (2015), que conta trajetórias de vida de migrantes da Sardenha. Participou da delegação da juventude do Festival Against Racism em Bruxelas e Montreal.

Cortana também é cineasta e finalizou recentemente um documentário sobre o legado da ativista e política afro-brasileira Marielle Franco no Rio de Janeiro, Marielle Legacy Will not Die, que está sendo apresentado em festivais.

 

4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

 

DIA 1 – PERSPECTIVAS TRANSNACIONAIS

1ª Parte – A Experiência dos Negros e Narrativa Nacional
Notas Introdutórias sobre dinâmicas raciais na França, no Brasil e nos EUA – Por quê estudá-las na perspectiva transnacional?
Término: leitura e sequência da análise.

Trechos dos filmes:
Black Mariannes (Name Fatou Niang) / France
Eu oxum (Héloa e Martha Sales) / Brazil
Strong Island (Yance Ford) / USA

2ª Parte – As experiências multirraciais (bi-racial – adoção transracial e cineastas bi-culturais)
Panorama de figuras cinematográficas multirraciais na França e nos EUA
Silêncios
Silêncios conflituosos: a missão pós-colonial / anticolonialista do cineasta multirracial.
Reflexão sobre a possível aplicação do tema no contexto brasileiro.

Trechos dos filmes:
Mixed Match (Jeff Chiba Sterns) / US
Little white lie (Liza Schwartz) / US
Hafu – Mixed race experience in Japan (Nishigura/Tadaki) / US/Japan
Les enfants du blanc (Sarah Bouyain) / France

 

DIA 2 – BRASIL EM PERSPECTIVA

3ª Parte – Quando os EUA analisam as dinâmicas raciais do Brasil
Introdução + Visualização de Brasil, a racial Paradise (Henry Louis Gates Jr, PBS), EUA (50’).
Q&A e discussão em grupo sobre as estratégias narrativas + distribuição solidária

4ª Parte – Distribuição e crítica de narrativas raciais brasileiras no Brasil e no exterior
Estudo de caso com Adirley Queirós: Branco Sai, Preto Fica; Era uma Vez em Brasília; A cidade é uma só.
Leituras sobre críticas internacionais, análise sobre estratégias de distribuição e festivais.
Conclusão e observações iniciais.

 

5. INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

Para a dinâmica do segundo dia, o palestrante recomenda assistir aos filmes de Adirley Queirós: Branco Sai, Preto Fica, Era uma Vez em Brasília e A cidade é uma só. Os inscritos poderão assisti-los na filmoteca da Escola (CEDOC), de segunda à sexta, das 14h às 18h, com agendamento prévio.

O programa poderá ser levemente adaptado antes do início das aulas e o professor poderá mudar os trechos de filmes que serão exibidos. Alguns filmes terão legendas apenas em inglês.

Será emitido certificado para os participantes que tiverem o mínimo de presença exigido (75%).

A realização do curso está sujeita a um número mínimo de inscritos.

Você ainda tem alguma dúvida? Entre em contato com a gente.
Venha fazer parte da Geração Darcy!