Canal Brasil homenageia os 90 anos de Luiz Carlos Barreto

O Canal Brasil está homenageando os 90 anos de Luiz Carlos Barreto com uma retrospectiva de seus mais importantes filmes. Como produtor, tem em seu currículo uma enorme lista de títulos importantes, incluindo um dos filmes mais vistos da história do cinema brasileiro, Dona Flor e seus dois maridos (1976), de Bruno Barreto, que atraiu mais de 10 milhões de espectadores. Sempre presente na formulação de políticas para a produção nacional, tem sido líder da busca de soluções para a auto-sustentabilidade da indústria audiovisual no país. Nascido em 1928, na cidade de Sobral, no interior do Ceará, descobriu sua vocação cinematográfica como fotógrafo da revista O Cruzeiro, durante a cobertura das filmagens de Barravento, o primeiro filme de Glauber Rocha, no interior da Bahia, em 1961. Entrou efetivamente para o meio quando escreveu, junto com Roberto Farias, o roteiro de O assalto ao trem pagador (1962).

Fez a fotografia de Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, clássico do Cinema Novo, prêmio da crítica no Festival de Cannes de 1964. Em 1965, abandonou de vez o jornalismo e passou a dedicar-se exclusivamente ao cinema, fundando a Difilm, uma distribuidora que reunia vários diretores do Cinema Novo. Em seguida, fundou a L.C. Barreto, com a qual realizou alguns dos mais importantes títulos do cinema nacional.

Foi coprodutor de Terra em transe (1967), de Glauber Rocha, prêmio da crítica no Festival de Cannes de 1967, e produtor de, entre muitos outros títulos, Bye bye Brasil (1979), de Carlos Diegues, e Memórias do cárcere (1983), de Nelson Pereira dos Santos, também premiado pela crítica em Cannes.

Já levou o país duas vezes à festa do Oscar, com filmes dirigidos por seus filhos: O quatrilho (1996), de Fábio Barreto, e O que é isso, companheiro? (1997), de Bruno Barreto. Produziu, entre outros, Bela Donna (1998), de Fábio Barrreto, Uma aventura de Zico (1999), de Antonio Carlos da FontouraBossa Nova (1999), de Bruno Barreto, e O caminho das nuvens (2003), de Vicente Amorim. Em 2002, a L.C. Barreto completou 40 anos de existência, atingindo a marca de 80 filmes produzidos ou coproduzidos.

Programação:

. Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976) | Direção: Bruno Barreto | 118 MINUTOS | Classificação: 18 anos

Horário: Sexta, dia 18/05, à 0h1

. Bye Bye Brasil (1980) | Direção: Cacá Diegues | 101 MINUTOS | Classificação: 18 anos

Horário: Sexta, dia 25/05, à 0h15

. O Quatrilho (1995) | Direção: Fábio Barreto | 114 MINUTOS | Classificação: Livre

Horário: Sexta, dia 1º/06, à 0h1

. O que É Isso, Companheiro? (1997) | Direção: Bruno Barreto | 114 MINUTOS | Classificação: 14 anos

Horário: Sexta, dia 08/06, à 0h15

Indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro.

. Bossa Nova (1999) | Direção: Bruno Barreto | 94 MINUTOS | Classificação: 12 anos

Horário: Sexta, dia 15/06, à 0h15

. João, o Maestro (2017) | Direção: Mauro Lima | 110 MINUTOS | Classificação: 14 anos

Horário: Sexta, dia 22/06, à 0h15

 

WhatsappFITY


Most Recent Posts